Escola e família: uma relação de parceria

Escola e família: uma relação de parceria

Saiba como trabalhar em conjunto para oferecer todo o suporte que as crianças precisam para se desenvolverem

Família e escola são as principais referências para as crianças e a base para a sua formação humana e acadêmica. Por esse motivo, é fundamental que se relacionem da melhor maneira possível, dialogando abertamente sobre as responsabilidades de cada parte na educação.

 

O papel da família começa nos fundamentos do desenvolvimento humano, com a transmissão de valores éticos e princípios. Também passa pelo acolhimento e todo o apoio necessário, inclusive na vida estudantil. Afinal, os alunos aprendem melhor quando os responsáveis se interessam pelas experiências que eles vivem na sala de aula.

O papel da escola entra na geração das condições básicas para a formação acadêmica, intelectual e cognitiva, assim como no estímulo ao desenvolvimento de competências e habilidades necessárias para o futuro da criança na sociedade.

 

A relação entre as funções nessa parceria deve ser um processo interativo de planejamento e de adaptação constante, sempre baseado no respeito mútuo, confiança e comunicação aberta para funcionar de forma complementar, um ajudando o outro.

 

Quando família e escola trabalham em conjunto e se apoiam mutuamente, os resultados aparecem de forma orgânica. Vamos conhecer agora cinco benefícios que geram reflexos tanto na sala de aula quanto no convívio em casa.

1. Melhor capacidade de acompanhamento

Especialmente nos primeiros anos da vida escolar, a criança não tem habilidade suficiente para fazer escolhas efetivas. É difícil refletir sobre o seu próprio aprendizado, reconhecer as dificuldades e corrigir o que precisa ser mudado.

 

Um monitoramento realmente efetivo nessa fase do desenvolvimento só pode ser feito junto. Os responsáveis e os colaboradores da instituição de ensino conseguem, trabalhando em parceria, observar o desempenho das crianças de perto. Dessa forma, podem ter experiências diferentes e percepções complementares sobre o foco de alguma dificuldade. Isso permite fazer os ajustes, quando necessários, sempre de forma mais precisa.

2. Aumento do rendimento na escola

A desmotivação percebida em algumas crianças nas atividades escolares, muitas vezes, tem origem na falta de apoio em casa. Isso demonstra o quanto a relação entre família e escola tem relevância no rendimento dos pequenos.

 

Quando os responsáveis participam ativamente da vida de seus filhos, inclusive no cotidiano escolar, a tendência é que os alunos se dediquem mais aos estudos. A sensação de suporte em casa para vencer os desafios da sala de aula promove, naturalmente, uma melhora no desempenho do aluno.

3. Resultados com continuidade e consistência

A evolução precisa ser sustentável. O aumento da motivação de forma pontual, suficiente apenas para superar um obstáculo, pode não gerar uma mudança de hábito. O gosto pelos estudos vem com o tempo e precisa ser constantemente estimulado.

 

Um dos benefícios mais importantes da abordagem baseada na parceria é o poder de criar consistência entre as ações realizadas na escola e em casa. Essa união é a forma mais eficaz, pois gera continuidade nos apoios oferecidos em todos os ambientes em que a criança se desenvolve.

 

4. Diminuição da indisciplina

As crianças precisam de atenção e, caso sintam sua falta de alguma forma, podem acabar expressando essa necessidade por meio de atitudes reprováveis. Um dos assuntos mais delicados que surgem nesse contexto pode ser o bullying.

 

Felizmente, uma boa relação entre a família e a escola é capaz de interromper esse ciclo. Se responsáveis e professores interagem de forma contínua e buscam resolver os problemas imediatamente, considerando sempre as causas dos conflitos e dificuldades, certamente encontrarão juntos as melhores soluções.

 

5. Maior desenvolvimento cognitivo e social

É na infância que o desenvolvimento cognitivo ocorre de forma mais intensa. O cérebro está em evolução, e os pequenos começam a compreender a existência do outro, aprendendo a conviver com as diferenças. Portanto, é fundamental aproveitar o momento e estimular esses aspectos de forma positiva.

Apresentações de trabalhos abertas à família, festinhas, eventos na comunidade e estímulo para ações de voluntariado. Esses são exemplos de ações que ganham força com a união entre família e escola. Dois pilares atuando em conjunto para um só objetivo: formar um ser humano completo, desenvolvendo todas as suas capacidades. Como resultado, a maior beneficiada é a criança que tem um salto no desenvolvimento cognitivo e social.

Como melhorar a parceria entre família e escola?

Quando existe um alinhamento entre os dois principais ambientes em que a criança está inserida, isso se torna um fator de proteção e potencialização para o desenvolvimento infantil. Depois de entender a importância do vínculo entre família e escola, uma dúvida surge: como colocar isso em prática?

 

Algumas atitudes simples, porém significativas, podem ajudar. Sugerimos aqui seis caminhos que visam promover uma maior aproximação entre os responsáveis e os profissionais de ensino.

 

 

1. Usar a tecnologia como aliada

O uso de um aplicativo com recursos para troca de mensagens pode envolver os responsáveis e diferentes colaboradores, como professores, coordenadores e gestão. A facilidade de comunicação é uma das maneiras de manter um contato constante e aberto. No entanto, embora seja eficiente, esse método digital não deve ser o único e também não substitui a importância da interação presencial.

 

Entre as mensagens enviadas para os responsáveis regularmente, por exemplo, pode estar uma parte do conteúdo que a criança acessou na escola. Isso permite que os responsáveis, no momento em que acharem mais adequado, também possam abordar e ampliar o tema. Todos, então, se tornam mais participativos no processo de aprendizagem.

 

2. Conversar sobre o projeto pedagógico

Para iniciar a parceria entre família e escola, é fundamental conversar sobre o Projeto Pedagógico da instituição no início do ano letivo. Isso significa explicar as atividades que serão desempenhadas com as competências e habilidades desenvolvidas. Assim, os responsáveis podem ser incluídos no planejamento, entendendo as estratégias e sabendo o que se espera deles.

 

Outro ponto importante nesse alinhamento de expectativas é apresentar a equipe de profissionais de ensino e demais colaboradores, ou seja, as pessoas que efetivamente estarão em contato e participando do cotidiano da criança na escola.

 

3. Realizar reuniões periódicas

Uma das principais maneiras de reforçar a sintonia entre família e escola é realizar reuniões de forma regular. Esses encontros são fundamentais para criar vínculos, personalizar o atendimento e planejar em conjunto ações para resolver dificuldades ou potencializar as capacidades dos alunos.

 

É importante lembrar que uma postura de abertura e colaboração pode ser mantida mesmo em situação de discordância dos pais com a escola. As atividades são passíveis de questionamentos e ajustes, abrindo espaço para os responsáveis colocarem suas dúvidas e expectativas de forma equilibrada.

 

4. Promover eventos escolares

Dar atenção especial aos eventos escolares é uma ótima forma de evoluir a parceria. A escola pode promover encontros agradáveis para que os responsáveis participem ativamente, tendo oportunidade de interagir com a equipe escolar e também com outros familiares.

 

Pode ser um evento de Dia das Mães, Festa Junina, Feira de Ciências ou Festival Cultural. O ideal é organizar atividades que possam ser realizadas em conjunto, de forma que tanto os pais quanto os alunos participem e troquem experiências de forma divertida.

 

5. Comentar as avaliações

As avaliações e os registros dos alunos nos cadernos, incluindo a lição de casa, podem informar também como o estudante está em relação ao conteúdo. Da mesma forma, as avaliações, além de um simples número no boletim, podem trazer comentários e mais contexto.

 

Enxergar o que existe além das notas é revelar as conquistas do aluno e o que ainda precisa ser desenvolvido. Assim, os responsáveis podem entender como ajudar as crianças a evoluir no que for necessário, fazendo um esforço complementar ao que é realizado usualmente na escola.

 

 

6. Nunca esconder informações importantes

Desde o primeiro contato, é importante que todos estejam abertos para compartilhar as informações que podem fazer diferença. Por exemplo, a descoberta de uma doença grave na família certamente vai afetar o desempenho da criança na escola. Se não existir diálogo sobre um tema delicado assim, os professores não poderão observar da melhor forma as mudanças de comportamento em sala de aula.

 

Colocar tudo isso em prática dá trabalho? Certamente! Contudo, não existe atalho. O caminho é trilhado a cada dia, com muita persistência e esforço de equipe. Participar da rotina escolar é muito mais do que levar e buscar os filhos, comparecer em reuniões ou saber os nomes dos professores. Educar os seres humanos do futuro é a nossa grande missão como responsáveis. Sendo que a parceria que une a família com a escola é essencial para termos sucesso nessa transformação cotidiana.


Posts relacionados: